07 junho 2017

Demónios


Tenho uma doença. Nunca o admiti tão claramente como o estou a fazer agora. Tenho uma doença algures em mim, que me distorce a realidade e me impede de ser totalmente plena. Mais do que a minha casca imperfeita, contra a qual luto há quase 15 anos, e com a qual já devia ter aprendido a viver por esta altura, tenho em mim um demónio interno, que me puxa e me pisa e me magoa.

Ontem vi-o. Pela primeira vez, vi-o. Ali, sem mais, à minha frente reflectido no espelho, reflectido em mim.

Olho-me ao espelho e detesto-o. Ao demónio, a mim, à casca... queria que ele me deixasse em paz, que parasse de me matar aos bocadinhos. Pisco os olhos por um segundo e o mundo gira. Já não há demónio. Em vez disso vejo-me a mim, sem demónio, com outra casca.... esta casca não me parece tão má assim! Pisco de novo e o demónio regressa. Não suporto mais viver assim, com a visão distorcida, sem saber o que é real. Que casca é a minha? Preciso da verdade, preciso de me encontrar. Preciso que o espelho pare de torcer e distorcer de cada vez que me encaro.

Tenho uma doença. Nunca o admiti tão claramente como o estou a fazer agora. Tenho uma doença e não sei como lidar com ela. Não sei como lidar comigo.

Imagem: fresco do Solar dos Zagalos (Sobreda)

5 comentários:

  1. Mata esse demónio e vive em paz. Tu és giríssima, enorme, enormemente gira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É dificil ser enorme numa cultura de gente baixa. Devia mudar-me para o norte da europa. Não fosse o frio...

      Excluir
  2. Estas palavras podiam ter sido escritas por mim e por tantas, tantas outras pessoas. Esta doença afecta tantas pessoas e tão próximas de nós... e todas "escondem". Não de propósito (bom, algumas sim), mas é daquele tipo de assuntos que nunca vêm à baila. E, francamente, se viessem, seriam na verdade uma conversa a evitar. Afinal, quem quer falar dos seus demónios quando pode ignorar e viver «normalmente» e lidar com eles em silêncio??
    No meu caso, depois de dois ou três psicólogos que eram excelentes profissionais mas com os quais só aprendi a controlar melhor a doença - não a curá-la -, a minha salvação foi esta senhora: https://www.facebook.com/renise.peraro
    Fiz consultas online durante 6 meses e apesar dos dois primeiros meses terem sido puro sofrimento, hoje sou uma pessoa nova. Ainda com baixa auto-estima, ainda insegura em alguns aspectos/situações, mas nada comparado com aquela vontade de não sair da cama e chorar compulsivamente sozinha. A minha vida mudou. Qualquer dúvida estou disponível :) (e não, não ganho à comissão, estou só eternamente grata a quem ma recomendou ;) )
    Beijinhos e as melhoras **

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era tão mais fácil se simplesmente pudessemos ver-nos pelos olhos dos outros.

      Experimentei durante uns tempos o acompanhamento psicológico, mas ainda saía de lá pior. Refugiei-me na dança, na escrita e sei lá mais em quê. Mas de vez em quando tenho momentos em que bato no fundo outra vez.

      Beijinho

      Excluir
    2. Terapia, ao contrario de medicação, não serve para nos sentirmos melhor no imediato. A medicação deixa-nos dormentes em relação à dor. Terapia faz com que a sintamos com mais consciência. E isso é duro, sim. É preciso ter muita vontade de querer melhorar..

      Excluir